Intercâmbio com troca de saberes entre crianças e adolescentes fortalece a Educação do Campo Contextualizada

Intercâmbio com troca de saberes entre crianças e adolescentes fortalece a Educação do Campo Contextualizada

25/05/2018

#MOC_PorumSertaoJusto

“Primeiramente, devemos educar a alma através da música e a seguir o corpo através da ginastica”, disse Plantão. Um dia marcado de encantos, sorrisos, alegrias, misturado com músicas, dinâmicas, pinturas, brincadeiras, fazeres e saberes de crianças e adolescentes foi esse dia 24 de maio, que com o tema: “Os Sons do Semiárido” embasou o IX Intercâmbio e Troca de Saberes com crianças e adolescentes dos municípios, que trabalham com a Educação do Campo Contextualizada, com a metodologia do projeto Conhecer, Analisar e Transformar (CAT) e Baú de Leitura, desenvolvido pelo Movimento de Organização Comunitária (MOC), em parceiras com a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), secretarias municipais, como movimentos sociais e sindicais.

O
 encontro foi realizado pelo MOC através do Programa de Educação do Campo Contextualizada (PECONTE), que intercambiou conhecimentos produzidos e avaliou as múltiplas aprendizagens das crianças e adolescentes de escolas do campo, que desenvolvem a Educação do Campo Contextualizada e Educomunicação, direcionando com a troca e interação de realidades/municípios diferentes, avaliando como a metodologia da Educação do Campo se desenvolve, bem como a proporcionou a construção de momentos musicais e ainda confecção dos instrumentos, a partir de matérias recicláveis e elementos que caracterizam o Semiárido.

“Estamos no nono intercâmbio de troca de saberes, entre crianças e adolescentes do Semiárido baiano, a partir das ações realizadas em Educação Contextualizadas junto ao CAT/Baú de Leitura, nos nossos vinte e um municípios de atuação, objetivando a realizar essa troca de experiências entre as crianças, com apresentações dos municípios, com essa integração entre meninos e meninas, com muita ludicidade, mas também aproveitamos esse momento para realizar uma avaliação contextualizada com as crianças, para perceber como está o aprendizado dessa Educação Contextualizada, que dialoga com a grade curricular, mas tudo de uma forma muito lúdica, prazerosa, de forma que todo mundo possa participar, que as crianças sejam realmente protagonistas desse momento”, enfatizou Ana Paula (técnica PECONTE/MOC).

A professora psicopedagoga Dilma Souza contribuiu com a primeira roda de danças, músicas e integrações, que proporcionaram divertidos e reflexivos momentos, colocando as crianças e adolescentes, assim como professores/as e coordenadores, entre outros participantes para dança, cantar e pensar, qual o meu sonho na minha escola, na minha comunidade, no meu Semiárido “Sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só. Mas sonho que se sonha junto é realidade”.

“Eu trabalho desde 1999, com essa Educação Contextualizada, a qual me dar muito prazer e acho muito importante esse momento que o MOC proporciona, dessa troca de saberes, desse intercâmbio, dessas crianças, de reunir os municípios para assim acontecer essa troca, assim a gente traz um pouquinho da nossa comunidade e aqui acontece a troca de saberes”, ressaltou Jucelina Andrade (Coordenadora do CAT do município de Quijingue).

Entre um momento e outro, os municípios foram apresentando os resultados da Educação do Campo Contextualizada nas escolas do campo, com fotos, relatos, quadros, apresentações culturais e lúdicas, com contação de histórias, como ainda muito brilho no olhar e amor nos gestos e palavras, que traziam com êxito o trabalho que essa metodologia leva para a vida das comunidades, principalmente nas crianças e adolescentes. “Esse intercambio é muito legal, a gente aprende muito, perde a vergonha de falar e conhece muita gente”, disse o garoto Gabriel Carvalho de Retirolândia.

Na parte da tarde uma Roda de Capoeira com Educadores da Comunidade de Ipuaçu animou mais ainda a criançada e demais pessoas presentes, seguindo para o momento mais esperando, a Oficina de construção de instrumentos musicais com materiais recicláveis e produção dos sons do Semiárido, com o professor Sandro Silva, que encantou com a habilidade de produção sonora e artística, que ajuda na crença que Semiárido é terra de gente bonita, inteligente, alegre, feliz e dotada de ricas possibilidades.

Depoimentos como o da professora Cantarina Gomes do município de Cansanção, que fiz ser apaixonada pelo Baú de Leitura, leva mais certeza que essa Educação transforma vidas em um Sertão mais Justo. “Pra mim o Baú é muito importante tanto para o educador quanto para criança, esse intercâmbio é a prova disso tudo, é a junção de trabalhos, a gente ver as crianças apresentando, as crianças interagindo com outras crianças, essa junção entre os municípios isso é maravilhoso, o contato com pessoas novas e isso só vem a crescer e eu não quero sair do Baú nunca mais, apaixonada pelo projeto”, comentou Cantarina Souza.





Por: Alan Suzart e Robervânia Cunha
Programa de Comunicação do MOC