Lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Convivência com o Semiárido aconteceu em  Brasília

Lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Convivência com o Semiárido aconteceu em Brasília

24/04/2019

Aconteceu na manhã desta quarta-feira, 24 de abril, na Câmera dos Deputados, em Brasília, o Lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Convivência com o Semiárido, reunindo representantes de movimentos sociais, de entidades da sociedade civil e parlamentares. “O objetivo principal é chamar a atenção sobre a importância de manter os programas e políticas de Convivência com o Semiárido, no orçamento do governo federal no próximo Plano Plurianual (2020-2023)”.

 

A Bahia esteve presente através do Coordenador da ASA-BA Naidison Baptista, o técnico do Movimento de Organização Comunitária (MOC) Clécio Lima e a agricultora Milena Souza, do município de Serra Preta, acompanhada pelo MOC por meio da Assistência Técnica e Extensão Rural.

 

Para a agricultora Milena Souza a Frente Parlamentar em Defesa do Semiárido é uma das formas de fortalecer as políticas em defesa da agricultura familiar. “Essa iniciativa me deixou com esperança e a certeza que temos parlamentares em defesa do nosso semiárido. Diante de um cenário onde estamos sofrendo tantos retrocessos, precisamos nos manter unidos e lutar juntamente com as instituições, que acreditam em dias melhores para o nosso semiárido”, ressaltou a agricultora.

 

Vale ressaltar, que mesmo diante de conquistas e grandes transformações na região semiárida, com as ações de acesso à água para famílias agricultoras, através da captação e armazenamento de água, ainda há uma forte demanda de famílias sem cisternas que armazenam água para consumo humano e sem tecnologias que guardam água para produção de alimentos e criação animal.

 

Por isso, a frente será um canal aberto de diálogo entre o parlamento e os povos do Semiárido, para manter viva no Congresso uma agenda sobre a Convivência com o Semiárido, não apenas com a abrangência do direito à água, mas também o acesso à educação contextualizada, crédito rural, assistência técnica agroecológica, acesso a mercado, entre outros.

 

É no Semiárido que a vida pulsa. É no Semiárido que o povo resiste!




Por: Robervânia Cunha PCOM/MOC

Fonte: Articulação Semiárido Brasileiro