Economia Solidária movimenta a X Feira do Semiárido

Economia Solidária movimenta a X Feira do Semiárido

26/10/2016

Centenas de pessoas já passaram pelos estandes montados no hangar da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), durante a X Feira do Semiárido. Os trabalhos foram abertos na noite da terça-feira (25) com a presença de representante do MOC e autoridades locais.

Empreendimentos econômicos solidários assessorados pelo MOC e integrantes do projeto Redes de Cidadania no Sertão da Bahia, que tem o patrocínio da Petrobras, recebem os visitantes em stands montados no local, onde expõem e comercializam seus produtos artesanais ou oriundos da agricultura familiar. “Este é um momento muito enriquecedor, não apenas de vender, mas pela troca de experiências, por conhecer novas pessoas, novas culturas”, declara Arilma dos Santos Souza,  integrante de um grupo de produção da comunidade quilombola de Vila Nova, em Biritinga.

Além desses empreendimentos acompanhados pelo MOC na exposição e comercialização dos produtos, duas cooperativas estão prestando serviços: A COOPEREDE, no fornecimento de refeições e hospedagem e a COOCIBA, do município de Barrocas, no fornecimento das camisas para o evento. “A Feira nos possibilita a oportunidade de divulgar nossos produtos e principalmente a agricultura familiar que é a porta de saída para o desenvolvimento sustentável visando não só o nosso bem, mas o bem comum do campo e da cidade”, ressalta Marina Costa, que ali representa a Arco Sertão Central.

Participantes de 27 municípios da Bahia marcam presença no evento que prossegue até esta quinta-feira, 27 de outubro. A Feira este ano aborda o tema “Diálogos entre o Campo e a Cidade e os Desafios para os Territórios”. Durante a programação, estudantes, professores, pesquisadores e representantes da comunidade externa também debatem sobre os desafios para a formatação de políticas públicas do sertão nordestino.

Jaqueline do Carmo Cunha, representante da Cooperede disse que a Feira é uma oportunidade de apresentar os produtos ao mercado. “Nossos produtos são artesanais feitos por grupos de mulheres e aqui temos a oportunidade de mostrar nosso trabalho. A Feira nos trás conhecimentos, novas amizades e é o local onde apresentamos nosso dia-a-dia com o nosso trabalho”, enfatizou.

A realização da Feira chama a atenção para as potencialidades da região Semiárida. São oferecidos produtos e ideias que refletem tanto a convivência, quanto os caminhos para efetivação do desenvolvimento da região. A Feira chama a atenção para os saberes, fazeres e as potencialidades do Semiárido, observando a capacidade de homens e mulheres para o desenvolvimento sustentável, sem perder de vista a diversidade regional.

A Feira acontece desde 2003 e em sua décima edição, além de debates e mesas redondas com participação direta de técnicos do MOC, o público pode apreciar apresentações culturais e se deliciar com as comidas típicas produzidas pelas comunidades como bolos, beijus, cocadas, sequilhos e doces, além de degustar cachaças e licores diversos. 

Por:
Maria José Esteves
Programa de Comunicação do MOC