Monitoramento de Jovens multiplicadoras aconteceu em Retirolândia

Monitoramento de Jovens multiplicadoras aconteceu em Retirolândia

10/01/2018


#MOC_PorumSertãoJusto


Jovens multiplicadoras do projeto “Esportes Cooperativos: Inclusão Social, Construção de Saberes e Cidadania no Semiárido” desenvolvido pelo Movimento de Organização Comunitária - MOC com apoio da Unesco / Criança Esperança, participaram nesse 09 de janeiro, no município de Retirolândia, de uma reunião de monitoramento para analisar ações já realizadas e construir um roteiro de retorno na
s comunidades que são atendidas pelo projeto, que são elas: Maracujá de Conceição do Coité, Jitaí de Retirolândia e Mucambinho de Santaluz, para que essas possam contar e avaliar como foi o processo de execução das atividades, assim como o que mudou, ou seja, quais os resultados das vivências das crianças e adolescentes, como também das famílias e das comunidades.

Partindo do principio que no Semiárido a prática esportiva ainda é negada, como direito para das crianças e adolescentes, que o MOC busca e trabalha para contribuir na inclusão desses direitos humanos nas comunidades rurais, com incentivos como esse projeto, que direciona a compreensão de esportes cooperativos, sem disputa, mas com incentivo a melhoria nas escolas e construção de saberes e cidadania, por meio de jogos, gincanas culturais, como ainda por momentos lúdicos de leituras prazerosa e contextualizada. Inserindo também o acesso a comunicação como direito de produzir e não apenas receber, a exemplo das rádios poste existente nessas comunidades.

A rádio poste vem estimulando a criatividade, a convivência da comunidade com sua realidade de produzir e não somente receber a comunicação como direito humano e porque ela é um direito humano é que o MOC adota a educomunicação como metodologia de comunicar (...). A educomunicação é uma forma de promover comunicação respeitosa", enfatizou Vandalva Oliveira (Coordenadora Pedagógica do MOC), que orientou o monitoramento.

Segunda a psicóloga Daiane dos Santos (Orientadora Educacional do Programa de Educação do Campo Contextualizada PECONTE do MOC) membro desse projeto, o dia foi muito produtivo, pois puderam discutir e refletir sobre as ações para construir o roteiro, assim como analisar os aspectos de avanços e os encaminhamentos a partir dessa reunião. “A gente se baseou nos objetivos do projeto para construir as perguntas que irão responder se alcançamos ou não esses objetivos, a partir da própria comunidade”, relatou Daiane.

O projeto vem chegando à reta final, por isso se faz importante receber das comunidades essa avaliação dos resultados, do que foi transformado, assim como o que melhorou diante dos acessos aos direitos das crianças e adolescentes, dentro de uma proposta que trabalha com embasamento metodológico na Educação do Campo Contextualizada.



Por: Robervania Cunha
Programa de Comunicação do MOC/PCOM