Racismo Institucional é tema debatido em Conceição do Coité

Racismo Institucional é tema debatido em Conceição do Coité

23/08/2018

#MOC_PorumSertaoJusto


Vidas Negras Importam? Qual o seu compromisso diante da realidade que assola a classe preta nos espaços públicos, organizacionais, trabalhistas, escolar, rural, periféricos, dentre outros?

Essas questões e indignações permearam o Debate Político sobre o Racismo Institucional: Vidas Negras Importam. Qual o seu compromisso? Na tarde dessa quarta-feira (22), no Centro Cultural Ana Rios, no município e Conceição do Coité. Estiveram presentes entidades sociais, educadoras/es e estudantes da rede pública de ensino.

O debate foi realizado pela Rede de Enfrentamento ao Racismo Institucional do Território do Sisal, teve como objetivo trazer a reflexão do assunto e mostrar o quanto o racismo está presente no cotidiano. Dois momentos marcaram o debate. O primeiro com uma mesa formada pela Secretária de Assistência Social, Val Pinto; Xande Revolution do Departamento de Igualdade Racial, Ilzimar Glória Ferreira, Vice-Diretora da Universidade do Estado da Bahia campus XIV, Urbano Carvalho do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura Familiar, todos/as do município de Conceição do Coité, além de Clérison da Secretaria de Promoção de Igualdade Racial do Estado da Bahia (SEPROMI) e Cleuza Juriti, representando a Rede de Enfrentamento ao Racismo Institucional e o Conselho Estadual de Desenvolvimento e participação da Comunidade Negra da Bahia.

As falas ressaltaram a importância do debate, contextualizaram a Rede e reforçaram a necessidade de buscar e/ou criar estratégias e políticas públicas que promovam o reconhecimento e enfrentamento do racismo institucional como violação dos direitos da população negra. No segundo momento a mesa foi mediada por Selma Glória, coordenadora do Programa de Gênero do Movimento de Organização Comunitária (MOC), formada por candidatos/as ao pleito eleitoral de 2018, para ouvir dos candidatos/as suas propostas diante do tema em debate.

Presente, a candidata a deputada federal Elisangela, do Partido dos Trabalhadores (PT), ressaltou que: “há uma necessidade do estado de direito oferecer novos elementos para a construção de planos de ação que permitam o enfrentamento do racismo institucional além da implementação de políticas públicas que diminuam as desigualdades enfrentadas pelas comunidades negras, em especial as que moram na periferia e na zona rural e a organizações em rede são de fundamental importância para mostrar tudo isso”.

Já com falas da plenária o candidato a deputado federal Joseildo Ramos, também do PT, fez sua fala sobre a importância do debate, reforçou seu comprometimento com a causa e pediu desculpas pelo atraso.

A Rede de Enfrentamento ao Racismo Institucional do Território do Sisal é formada pelos municípios de Serrinha, Conceição do Coité, Ichu, Retirolândia, Santa Luz e Queimadas além de instituições e entidade do Movimento social como MOC, MMTR Regional, Movimento de Mulheres Negras Dandara do Sisal, SINTRAF Coité e Ichu, Coletivo de Mulheres Coité e Ichu, Secretaria de Assistência Social Coité e Queimadas e Sindicato dos Servidores Públicos Federais.






Por Kívia Carneiro
Comunicóloga
Programa de Comunicação do MOC