Projeto Parceiros Por Um Sertão Justo instigou trocas de saberes sobre direitos em encontro de monitoramento e avaliação

Projeto Parceiros Por Um Sertão Justo instigou trocas de saberes sobre direitos em encontro de monitoramento e avaliação

15/08/2018

“A gente não quer mudar de lugar, a gente quer mudar esse nosso lugar, para viver melhor, então a gente quer continuar no sertão e sendo feliz, não apenas existindo”, Vandalva Oliveira (Coordenadora Pedagógica do MOC).  É esse caminhar de sentimentos, vontades e fazeres, que resulta na luta, persistência, resistência e busca constante pela garantia de acesso aos direitos humanos, por isso, comungando dessa defesa de direitos que Movimento de Organização Comunitária (MOC) insiste com ações como a do Projeto Parceiros/as Por Um Sertão Justo que desenvolvem com a grande parceria da ACTIONAID, tendo como foco a implementação do Programa Local de Direitos (PLD).

E como parte desse projeto, o MOC realizou nos dias 14 e 15 de agosto, o 1° Encontro Regional de Planejamento, Monitoramento e Avaliação Envolvendo os Sujeitos dos Direitos, Executores/as e as Organizações parceiras, deste ano de 2018, com o propósito de integração entre os sujeitos de direitos e deveres dos diversos municípios de atuação do projeto com o PDL, no qual proporcionou uma maravilhosa troca de experiências a partir dos saberes locais, bem como identificou os avanços e os desafios relacionados à garantia dos direitos priorizados no PLD e o alcance das mudanças a partir dos feitos, no passo a passo das atividades do projeto, além de uma profunda reflexão sobre as percas que o cenário político vem provocando, sobre os direitos na vida do povo, principalmente das comunidades rurais do Semiárido.

ESTAÇÕES DOS SABERES – Direitos – Avanços e desafios na caminhada

E feito um trem bala, os grupos percorreram as estações com paradas estratégicas para conhecerem mais sobre os vínculos solidários, educação contextualizada, protagonismo das mulheres e agricultura familiar junto a economia solidária, nos espaços que estavam recheados de saberes, sabores e cores que transmitiam no primeiro momento a mensagem de que esse lugar é vivo e cheio de possibilidades, riquezas e dotados de muitos conhecimentos, mas também expuseram os desafios que enfrentam no dia a dia para conquistar uma vida mais justo no Sertão. 

E em uma mistura de estações visitadas por crianças e adolescentes, educadores/as, mulheres, agricultores e agricultoras, empreendedores/as da economia solidária, que trocaram, somaram e registraram suas percepções a partir das muitas vivências e experiências de distintos cantos mais que se completam em um conjunto e um mesmo querer, aquele de um lugar melhor, assim a a viagem seguiu por:

1ª Estação - Sistema de Vínculos Solidários, que trabalha para contribuir com o protagonismo e a garantia de direitos de crianças e adolescentes, espalharam um pouquinho dos seus fazeres entre fotos, publicações de boletins, cartilhas, equipamentos de comunicação, cartazes, que mostravam as vivências nesses matérias de mudanças de vidas com a colaboração das ações do PLD, com dia lúdico, intercâmbios, oficinas e muitas outras atividades, sem esquecer das cartinhas que eles/elas trocam com seus padrinhos nesse sistema de vínculos. 

2ª Estação - Educação do Campo Contextualizada – com Educadores/as, nessa passagem os grupos puderam observar através de relatos da Professora Maria de Fátima e da garotinha Rakelly de Jesus os processos de avanços dessa educação e como essa transfora as vidas das crianças e adolescentes e consequentemente de toda comunidade. Imagens e publicações com essa caminhada dos aprofundamentos do Conhecer, Analisar e Transformar (CAT/Baú de Leitura) à realidade do Campo, exibindo  ainda em imagens, por outro lado colocaram os desafios, por exemplo as políticas públicas que garantem mais orçamentos para essa educação está sendo reduzido, como ainda o envolvimento de muitos educadores/as nesse processo que é bem lento.
 
3ª Estação - Auto organização das Mulheres e a luta pelo fim das violências, essa parada as mulheres na luta pelo protagonismo e enfrentamentos as violências de gênero, mostraram através de símbolos de campanhas e labutas diárias, entre camisas, faixas, bandeiras e outros, o ambiente foi caracterizado com os passos tímidos das mulheres sobre esse processo de conquistar espaços com igualdade, equidade e liberdade, mas que vem se fortalecendo com as ações, união e com criação de estratégias para esse contexto, como os conselhos de mulheres, secretarias, bem como atividades de roda de conversas, oficinas, seminários entre outros.

4ª Estação - Produção e Alimentação Saudável por uma Economia Justa e Solidária - com Agricultores/as Empreendedores/as, nessa parada além dos verdes das hortaliças e dos sabores dos quitutes da economia solidária, uma linha do tempo, expondo o que foi conquistado nesse campo como, água, com as cisternas de consumo e produção, Assistência Técnica, a comercialização dos produtos, as sementes crioulas e tanta outra coisa lá no campo, porém enfrentam desafios diários e ainda mais na atualidade com cortes nos pouco que chegava de políticas publicas para os trabalhadores/ do campo.

E finalizando essa viagem encantadora, com uma bagagem carregada e recarregada para socializar as percepções do visto e deixado por cada grupo que passou nas estações. Mais um momento que refletiram sobre os avanços e desafios do direito acessado, negado ou defendido na linha as ações executadas. 


CONJUNTURA POLÍTICA – Qual é o meu papel nesse cenário?

“Não! Eu não quero enchentes de caridade, só quero chuva de honestidade molhando as terras do meu sertão”. E ouvindo, cantando e refletindo sobre essa canção, se iniciou a análise da Conjuntura Política com foco nos avanços e desafios/ameaças aos direitos, provocando a pensar no papel e no compromisso de cada um/uma sobre essa realidade. E em grupos por direito, pensaram como esse cenário vem afetando diretamente a vida dos sujeitos. E apresentaram assim de forma interativa e dinâmica o resultado da análise. E a colaboração de Ana Glécia Almeida (MOC) foi fundamental para aprofundar isso, no sentindo que coloca todos/as a se perguntar qual o meu papel diante das mudanças que são extremamente necessárias acontecer e para isso é preciso sim , ter um lado e eleger políticos que tenham compromisso de garantir mais democracia e direitos justos para o povo.