Mulheres intercambiaram experiências na Ilha de Matarantiba em Vera Cruz

Mulheres intercambiaram experiências na Ilha de Matarantiba em Vera Cruz

27/06/2018



A Associação Comunitária dos Amigos do Centro São João de Deus do  município de Ichu/BA, através do apoio da SETRE/SESOL pelo projeto Tecendo o Amanhã em Rede, que conta com a contribuição do Movimento de Organização Comunitária (MOC), realizou o intercâmbio com 45 mulheres agriculturas familiares dos municípios de Ichu, Candeal, Riachão do Jacuípe e Feira de Santana na Ilha de Matarantiba, em Vera Cruz, na Bahia, seguindo o objetivo de conhecer as iniciativas locais em rede desenvolvidas no contexto do Projeto Ecosmar. 

O Projeto Ecosmar visa promover o desenvolvimento local sustentável da Vila de Matarandiba através da geração de trabalho e renda, tendo como base a criação de empreendimentos coletivos solidários voltados para a produção, consumo e gestão de serviços públicos locais. O projeto envolve parceria com a Incubadora Tecnológica de Economia Solidária e Gestão do Desenvolvimento Territorial da Universidade Federal da Bahia (ITES/UFBA).
 
Na linha de conhecer novas experiências de economia solidária, o Turismo de Base Comunitária, foi o que mais chamou atenção das mulheres, tendo como alternativa ao modelo de turismo convencional praticado, priorizando a conservação de modos de vidas tradicionais, oportunizando às pequenas comunidades a geração de trabalho e renda na oferta de serviços balizada por um projeto de educação para o ecodesenvolvimento, titulada “Vivertur”.


Essa vivência turística Vivertur é liderada por um grupo de jovens, que são Agentes no Empreendimento de Turismo de Base Comunitária em Matarandiba, integrantes da Associação Comunitária local (ASCOMA). “Nós somos gestores da atividade de turismo, desenvolvemos ideias para superar nossos próprios desafios, com ênfase no território, articulamos os empreendimentos e famílias para atender as receptivas visitantes, interessados em conhecer a Rede Ecosmar", contou uma jovem integrante. 

Na Rede Ecosmar também tem a Rádio a Voz da Terra que visa quebrar o padrão das rádios convencionais, promovendo na comunidade de Matarandiba a interação de conhecimentos educacionais, de saúde, beleza da mulher, natureza, receitas tradicionais etc. No espaço da Rádio, ainda funciona o Infocentro InfoMar disponibilizada para a comunidade internet com o valor justo e a venda de produtos de informática como mídia, CD, entre outros. Ali próximo tem o Banco  Comunitário Ilhamar, que conta com a economia solidária como sistema de desenvolvimento local, crescendo cada dia mais com esse processo.

Vale ressaltar, que o Banco Comunitário faz parte do movimento de economia solidária, constituído práticas de finanças solidárias, baseadas na gestão de serviços financeiros em comunidades empobrecidas, através de processos associativos de autogestão local. As práticas do Banco vem estimulando processo de desenvolvimento comunitário, articulando diferentes mecanismos de inovação social, como: O uso da moeda social “conchas” e a constituição de circuitos de microcrédito solidário de consumo, investimentos, pequenas reformas entre outros. Na Bahia atualmente são 10 (dez) Bancos Comunitários nas cidades (Camaçari, São Francisco do Conde, Simões Filhos, Cachoeira de São Félix, Vera Cruz/Matarandiba, Cairú, Guanambi, Canavieiras e Salvador). 

Na oportunidade teve ainda visitas aos empreendimentos a Padaria Sonho Real, conduzido por três jovens a única na Ilha, e a horta comunitária no meio da mata, vivenciamos momento com a natureza em trilha, passando pelo manguezal, terra viva e produtiva, também iniciativa conduzido por jovens.

Para Gisleide Carneiro, Coordenadora do Programa de Fortalecimento de Empreendimentos Econômicos Solidários (PFEES/MOC) e as técnicas Nayanna Reis e Sara Geisa Almeida do mesmo programa, além da técnica Cátia Almeida do Programa de Gênero do MOC (PGEN) a vivência nesses dias na Ilha Matarandiba foi muito enriquecedor ver o protagonismo da juventude, a frente dos empreendimentos.

A cultura na Ilha Matarandiba é desenvolvida pela Associação Sócio Cultural de Matarandiba (ASCOMAT), com o intuito de fomentar e valorizar a cultura local através das manifestações culturais, produção cultural da comunidade, ponto de leitura, ponto de memoria e ponto de cultura “Vôa Vôa Maria”. 

Por isso, o Samba de Roda está presente no cotidiano da comunidade, assim como em muitos locais da região conhecida como Recôncavo Baiano, tendo sido reconhecido como Obra Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade pela UNESCO. É a partir do reconhecimento da importância do Samba de Roda que a ASCOMAT realiza mais esta ação na comunidade. A vila de Matarandiba possui uma cultura com fortes raízes africanas e tem o samba enquanto referência cultural. “Acreditamos no caráter transformador desta iniciativa e um agente fundamental para um desenvolvimento sustentável e solidário”.

A criação do Samba de Roda Vôa VôA Maria faz parte de um conjunto de ações que vem sendo desenvolvidas no decorrer deste último ano na pela ASCOMAT, o qual conta com o apoio do Ministério da Cultura (Minc), do projeto ESCOMAR, ITES/UFBA, da Prefeitura Municipal de Vera Cruz e da Associação Comunitária de Matarandiba (ASCOMA).

“Finalizamos essa vivência em Ilha de Matarandiba com a certeza que a Economia Solidária Acontece, com o apoio do Governo de Estado pela SETRE/SESOL as iniciativas de redes do município de Ichu a Vera Cruz/Matarandiba”, relatou Maria Dalva Oliveira Carneiro, presidente da Associação Comunitária do Centro São João de Deus. 




Por: Gisleide Carneiro
Coordenadora do PFEES do MOC