Trocas de experiências dos projetos de vínculos do MOC

Trocas de experiências dos projetos de vínculos do MOC

15/06/2018

#MOC_PorumSertaoJusto



O compartilhar saberes e fazeres, resulta na soma dos efeitos que esses proporcionam na vida das pessoas, isso é o que as jovens multiplicadoras dos projetos de vínculos do Movimento de Organização Comunitária (MOC), realizam em suas ações e atividades diariamente nas comunidades e municípios, por onde o MOC atua, além de participarem de espaços de incidência política, que fortalecem a luta e defesa pelos direitos de crianças e adolescentes, resultando ainda na contribuição do desenvolvimento sustentável das famílias do Semiárido.

P
artindo da necessidade de avaliar, monitorar, planejar e socializar experiências, que as multiplicadoras se reuniram para recarregarem suas energias e bagagens, nos dias 13 e 14 de junho, em Feira de Santana, pelos projetos especiais: Cirandando pelos Direitos e Crianças e Adolescentes: Re’Tocando Vida, Direitos e Sonhos no Semiárido,  em parceria com instituição alemã Kinder Not Hilfe (KNH), assim como o projeto Parceiros/as Por Um Sertão Justo com apoio da Actionaid, ambos contribuindo com as garantias de direitos humanos de crianças e adolescentes na realidade do campo, ao qual o MOC trabalha, defende e comunga.

A atividade de avaliaçã provocou um debruçar sobre as ações realizadas, refletindo por projeto em grupos e socializando longo após os avanços (pontos positivos), os desafios (pontos negativos) e as sugestões de superação para esses desafios. “Todas têm responsabilidades de buscar meios de superação desses desafios para além do que o MOC pode colaborar, pois são detentoras e defensoras de direitos aos acessos de políticas públicas das crianças e adolescentes”, reforçou Vandalva Oliveira (Coordenadora Pedagógica e dos Projetos de Vínculos do MOC).

Em outro momento, um diálogo importante e reflexível sobre as Conferências de Crianças e Adolescentes que aconteceram nesse ano corrente, sendo elas Municipais, Estadual e Federal, além de poder realizar as Livres, que é são preparatórias para as demais. A prosa foi inspirada pela participação das jovens na videoconferência da eleição do Conselho Estadual de Crianças e adolescentes da Bahia, ocorrido na última quarta-feira 13.

Segundo Cleonice Oliveira (Programa de Comunicação do MOC) as Conferências são espaços de incidência política que leva oportunidade para a sociedade pensar e refletir sobre os direitos das crianças e adolescentes, sendo que esse público alvo tem um ambiente para expor suas opiniões, ideias e mostrar que também são construtores de conhecimentos e lutam para suprir seus anseios familiar e comunitário. "As conferencias livres não são obrigatórias, porém cabe à sociedade civil realizar para informar e refletir sobre os eixos que serão trabalhados nas Conferências municipais, estadual e federal. Devemos incentivar e orientar nossas crianças e adolescentes para participarem dessas Conferências para se apropriarem do que estão pensando e desejando para seu presente e futuro”, concluiu Cleonice.

Para finalizarem dois dias intensos e proveitosos de muitos aprendizados partilhados e somados, o momento chave para o retorno à suas bases de trabalhos, o planejamentos dos próximos passos e atividades a serem realizadas. “A gente cresce muito através desses projetos, transformando nossas vidas e das comunidades, o processo da rádio poste mesmo nos mostra que podemos comunicar sem medo, ter voz e perder a vergonha de falar, e ainda reivindicar o que nos falta, pois esse também é nosso direito, fazer comunicação”, expressou Val como é conhecida a jovem do projeto Cirandando, Comunidade de Jitaí/ Retirolândia.

E é claro que alegria, risos, cantorias, dinâmicas e muita interação não poderiam faltar. “Eu quero ver se você não se mexe, eu quero ver quem se mexe por você”.




Por: Robervânia Cunha
Programa de Comunicação do MOC - PCOM