Comunidades de Santaluz dialogam com Gestão Pública sobre suas demandas

Comunidades de Santaluz dialogam com Gestão Pública sobre suas demandas

27/04/2018

MOC_PorumSertaoJusto


As comunidades de Miranda, Mucambinho e Rose do município de Santaluz, que são acompanhadas pelo
 Movimento de Organização Comunitária (MOC) em parceria Kinder Not Hilfe – (KNH) através do projeto Cirandando pelos Direitos, que trabalha em defesa dos direitos das crianças e adolescentes, no contexto da Convivência com o Semiárido,  se reuniram nessa sexta-feira, 27 de abril, com a Gestão Pública municipal para apresentar suas demandas, em um processo de articulação, mobilização e ocupando de espaço, na busca por garantias e conquistas de seus direitos para uma vida melhor no campo.

Na oportunidade, a conversa aconteceu entre membros das comunidades, representadas por homens e mulheres, bem como jovens adolescentes, com o Secretário de Administração Joselito Carneiro Júnior, além do vereador Arivan Cardoso (Vanvan do Mucambinho), como também a técnica Cleonice Oliveira representando o MOC. Caminhando de forma atenciosa, proveitosa e positiva entre ambas as partes, mais no sentido de acalentar aos anseios e necessidades das comunidades, discutindo e refletindo sobre as questões colocadas para melhor contribuir para o bem estar e desenvolvimento local.

A jovem Naely Santiago começou relatando as necessidades de Rose, na qual a mais urgente se trata da reforma do posto de saúde. Em seguida, Andreza Vieira leu as linhas de reivindicações de Mucambinho, que estão entre coleta de lixo, saneamento básico de esgoto e muito mais. Logo após, Luan Santos de Miranda trouxe alguns queixas para melhorar algumas questões da comunidade, como reforma da quadra, entre outros pontos.

O Secretário Junior se comprometeu em sanar algumas demandas de imediato, como o caso da coleta de lixo, outras estão dentro do planejamento anual do município, como reformas dos postos de saúde e iluminação e algumas demandas requer um pouco de paciência para solucionar ainda dentro dessa gestão, como construção de praça, pavimentação de ruas, rede de saneamento básico e esgoto, entre outras.

Vale salientar que as comunidades estão dentro do contexto de Convivência com o Semiárido e esse meio de incidência política fortalece a busca e luta diária para conquistar e garantir cada vez mais direitos para viver e conviver bem com suas realidades, com mais dignidade, autonomia e liberdade de escolher continuar nas suas raízes.

O projeto Cirandando pelos Direitos vem justamente nesse sentido de contribuir no processo de inclusão, com incentivo, formação e meios como a Rádio Poste instaladas em ambas as comunidades, como mecanismo de produzir comunicação respeitosa, que desenvolvem as comunidades e se tornam um instrumento de reivindicar seus direitos, contribuindo com o protagonismo e empoderamento das comunidades, para uma vida mais digna e justa na sua realidade. “A gente tá aqui porque acredita na melhoria do município e das comunidades, que as pessoas podem ter uma vida diferente”, enfatizou Cleonice que acredita que o acesso as políticas públicas como direito colabora na transformação e no protagonismo do sujeito e no desenvolvimento das comunidades, pois na luta coletiva a construção de um outro mundo é possível.




Por: Robervânia Cunha
Programa de Comunicação do MOC - PCOM