Projeto Cirandando pelos Direitos avaliou resultados de suas ações

Projeto Cirandando pelos Direitos avaliou resultados de suas ações

19/01/2018

#MOC_PorumSertaoJusto

Projeto Cirandando pelos Direitos, desenvolvido pelo Movimento de Organização Comunitária – MOC em parceria com a Kinder Not Hilfe – (KNH), uma entidade alemã que desenvolve ações voltadas para o direito de crianças e adolescentes, realizou nesse dia 19 de janeiro, no município de Santaluz, um encontro local de monitoramento, avaliação e sistematização das ações do projeto, com participação de crianças, adolescentes do projeto, as jovem multiplicadora e a técnica do Programa de Comunicação do MOC (PCOM) Cleonice Oliveira. A atividade aconteceu na comunidade de Rose e contou com a presença das comunidades de Miranda e Mucambinho, ambas de Santaluz.
O objetivo principal do projeto é mobilizar as comunidades para lutarem pelos direitos das crianças e adolescentes, como também possibilitar que essas comunidades rurais tenham acesso à comunicação como direito para essas crianças e adolescentes, repercutindo para suas famílias e todo ciclo comunitário, o qual contribuir com o desenvolvimento sustentável, a partir de um processo educacional contextualizado e participativo, com formações direcionadas ainda para a prática e técnica de conhecimentos, em produzir comunicação comunitária, protagonizando o sujeito para além de meros receptores, como as rádios postes, que garante a inclusão nesse contexto de sua realidade.
E assim, comunidades empoderadas e dotadas de saberes sobre seus diretos, se organizam no coletivo para reivindicar, aos gestores públicos, ações necessárias para uma vida mais digna no campo. Como exemplo, Rose apresentou a demanda de buscar a reforma do posto de saúde local, pois os atendimentos médicos, que acontecem uma vez na semana, estão sendo feitos no espaço de um bar. Já em Miranda, irão lutar por um projeto social que ajude a diminuir a inserção de adolescentes nos bares. E em Mucambinho, depois de muita batalha da comunidade o posto que estava abandonado voltou a funcionar, as ações agora são por mais iluminação pública.





Por: Robevânia Cunha
Programa de Comunicação do MOC-PCOM