A Associação Comunitária de Pedras e Região é símbolo de resistência e transformação

A Associação Comunitária de Pedras e Região é símbolo de resistência e transformação

18/11/2015

A Associação Comunitária de Pedras e Região é uma instituição formada por agricultores e agricultoras familiares, em sua maioria mulheres, localizada na comunidade de Pedras, município de Conceição do Coité. A Associação que também integra a Cooperativa Agricultura Familiar de Conceição do Coité (Coopafam) trabalha na produção de diversos produtos. “Sequilhos, polpa de frutas, broas, cupcakes, farinha de tapioca, beijus e beiju de coco são esses produtos que nós conseguimos manter uma produção semanal” ressalta a integrante do grupo Marciane Silva.

Com o objetivo de melhorar a vida das pessoas da comunidade e garantir a sustentabilidade dentro dos princípios agroecológicos, a Associação foi formada em 21 de abril de 1998. Passou por inúmeras dificuldades, “mas hoje nós vemos que valeu a pena insistir, pois, muitas coisas da nossa vida têm mudado”, ressalta a presidente Elenilda Pereira da Silva.

O grupo ressalta a importância de vender seus produtos. “A gente produz e tudo precisa ser vendido. Temos a facilidade de ser filiadas à ARCO Sertão [Agência Regional de Comercialização do Sertão da Bahia], e isso tem demandado muito de nós, pois assim vamos passando a produção. E além da ARCO nós ainda vendemos ao PAA [Programa de Aquisição de Alimentos] e ao CONAB [Companhia Nacional de Abastecimento]”, completa Sueli Oliveira, membro da Associação.

Fundo Rotativo Solidário

As famílias agricultoras do Semiárido praticam sábias maneiras de organização e solidariedade que alimentam relações de interação e de responsabilidade. O processo de organização faz com que entidades, associações, agricultores e agricultoras mantenham forte o processo de desenvolvimento facilitando a produção e geração de renda. Exemplo de organização são os Fundos Rotativos Solidários (FRS) uma ferramenta de mobilização e valorização social da poupança comunitária que assumem a forma de gestão compartilhada de recursos coletivos. São constituídos a partir da contribuição das famílias ou estimulados por um capital externo, que pode proceder de diversas fontes: animal, produtos, materiais, dinheiro, dentre outros.

Para Elenilda, a funcionalidade do Fundo Rotativo é um grande avanço para os empreendimentos. “Com o Fundo Rotativo a facilidade é grande. No nosso caso, nós encaminhamos a proposta para a ARCO e foi feita a cotação. A empresa que ganhou entregou nossa mesa, que era o equipamento que nós estávamos precisando. Isso facilitou muito, porque se fossemos fazer um empréstimo de forma convencional, poderia sair, mas, a burocracia impede a agilidade das coisas. E para nós ficou mais fácil acessar pela ARCO, porque nós podemos escolher a forma de pagamento com recursos financeiros ou como a própria produção”, completa a presidente da Associação.

O acesso ao Fundo Rotativo tem fortalecido muitos empreendimentos, o que não é diferente da Associação Comunitária de Pedras e Região. A qualidade nos produtos com equipamentos adequados garantem uma melhor produtividade e consequentemente a melhoria da renda para seus membros.

Projeto Redes de Cidadania no Sertão da Bahia

“Falando em organização, o projeto Redes de Cidadania no Sertão da Bahia em parceria com a Petrobras vem contribuindo bastante” ressalta Suely Almeida, também integrante da Associação. A partir da execução do projeto as pessoas da Associação vêm passando por diversas capacitações, cursos em várias áreas, além do grupo ser beneficiado com equipamentos, reforma do espaço, cisterna de produção.

 “A cisterna de produção foi um avanço muito grande para nossa associação, agora temos como armazenar água de qualidade para produzir, ressalta Marinalva Pereira, Dona Nalvinha como é conhecida. Ainda segundo Nalvinha todo esse processo de construção da cisterna, das participações nos intercâmbios, nos cursos vem sendo um grande desafio. “É desafio, mas que vem valendo a pena, pois o projeto tem trazido muitos avanços para o empreendimento. Não deixo de participar, pois eu aprendo bastante nos intercâmbios e nos cursos”, ressalta.

A participação em feiras em diversos municípios também vem sendo uma prioridade do projeto seja através da Associação ou pela Rede que a mesma é filiada. Isso tem proporcionado a divulgação dos produtos e também ampliado a comercialização para outros consumidores e desta forma a Associação de Pedras vem se destacando a cada dia, como conta Suely Almeida.  “O esforço para sair do município é grande, mas vale a pena, a Associação vem mudando cada dia pra melhor graças ao projeto”, ressalta.


DOWNLOAD DO ANEXO