MOC 50 Anos

MOC 50 Anos

05/06/2017

O Movimento de Organização Comunitária – MOC tem uma trajetória de luta iniciada em 1967, a partir do trabalho social da igreja católica em bairros periféricos do município baiano de Feira de Santana. Gradativamente, a instituição foi se tornando autônoma, mantendo, contudo, boas relações de parceria com outras igrejas, inclusive com uma constante composição ecumênica da sua diretoria. 

    O objetivo central do MOC foi e continua sendo despertar as pessoas para que descubram a força da sua organização na luta por seus direitos e, assim, exerçam sua cidadania. Esse trabalho teve início com o apoio ao surgimento e fortalecimento de associações comunitárias rurais e urbanas, a princípio em Feira de Santana e municípios vizinhos, todos do Território Portal do Sertão. Aos poucos foi se estendendo à região sisaleira, atualmente conhecida como Território do Sisal e Bacia do Jacuípe. Hoje os três territórios são considerados prioritários na ação da instituição, sendo todos eles integrando do Semiárido Baiano.

    As ações estratégicas do MOC se baseiam na luta pelos direitos humanos implica numa democracia não somente representativa, mas, sobretudo também participativa, e que não há democracia sem o protagonismo dos sujeitos de direitos e sem o pleno desenvolvimento dessas pessoas e de suas comunidades. Sendo assim, não há democracia nem liberdade civil e política sem a garantia de direitos fundamentais como alimentação, educação, saúde, lazer, trabalho e renda, dentre outros. Da mesma forma, o MOC entende que a pobreza e as desigualdades sociais dificultam o exercício dos direitos humanos e da democracia.

    A metodologia de trabalho do MOC considera que as pessoas são sujeitos da ação, portanto capazes de conhecer, refletir criticamente a realidade e o que precisa ser mudado, e, detentoras de capacidades para construir mudanças e novas realidades. Ao MOC cabe fortalecer essas potencialidades humanas, congregando o saber técnico e o saber da comunidade (saber acadêmico e saber popular) baseado no princípio de que não há saber pronto. Sendo assim, é no processo de diálogo bilateral, interação e questionamentos sobre a situação vivida na comunidade, sobre o que deve e pode ser mudado, sobre quem é corresponsável pela ação que gera mudanças, que se opera as abordagens dos direitos humanos, mitigadas suas violações, e construída a rota das mudanças necessárias. 

    Neste contexto de luta, o MOC tem historicamente ao longo dos seus quase 50 anos, assumido a missão de contribuir para o desenvolvimento sustentável, integral e integrado, a inclusão sociopolítica, econômica e cultural, bem como o exercício da cidadania de populações comumente excluídas, povos e comunidades tradicionais, encampando temáticas emergentes no campo das mudanças climáticas, das múltiplas identidades e na perspectiva da Convivência com o Semiárido e da Agroecologia. 

    A missão institucional é desdobrada em ações e alcança as pessoas nas comunidades através das áreas programáticas que são:  
Fortalecimento da Agricultura Familiar e da Economia Solidária, atuando com agricultores e agricultoras familiares;
Promoção da Igualdade de Gênero atuando com mulheres rurais e periurbanas;
Educomunicação e Educação do Campo Contextualizada contribuindo para que Crianças e Adolescentes tenham acesso a direitos como educação contextualizada, esporte, cultura e lazer, bem como o direito à expressão de suas potencialidades criativas e participem da construção do desenvolvimento sustentável das suas comunidades. 

A CARAVANA MOC 50 ANOS 

O ano de 2017 tem a marca histórica de comemorar 50 Anos de trajetória e resistência do MOC, por isso a instituição lançou a “Caravana MOC 50 Anos - Por um Sertão Justo” que implicará na realização de um conjunto de ações voltadas para a missão e os objetivos estratégicos da instituição. 

    Essa celebração só tem sentido com ativa e efetiva participação das pessoas, com quem o MOC vem construindo sua história. A caravana lançada, não por acaso no dia 31 de março de 2017 “Dia Nacional de Mobilização - Por Nenhum Direito a Menos”, se constitui num ato de resistência na luta pelos direitos – essência da existência do MOC.

    A referida caravana desbravará as estradas ‘do portal ao coração do sertão’ entre os meses de março e setembro de 2017, vivenciando quatro tempos estratégicos:

Ø  O lançamento por ocasião da Assembleia Geral Ordinária da instituição;;

Ø  Campanha de mobilização de recursos;

Ø  Ações itinerantes em municípios que concentram projetos das diferentes áreas programáticas da instituição;

Ø  A culminância que se dará nos dias 28 e 29 de setembro na cidade de Feira de Santana, com uma grande Feira de Cultura com troca de saberes, sabores e fazeres e mesas de diálogos que corroboram com a construção de um Sertão mais Justo.