Caravana MOC 50 Anos marcou o município de Nova Fátima com sua passagem itinerante

Caravana MOC 50 Anos marcou o município de Nova Fátima com sua passagem itinerante

01/10/2017

#2017MOC50Anos
#PorumSertaoJusto

Uma movimentação diferente, alegre, celebrativa tomou conta do município de Nova Fátima, na sexta-feira, 29 de setembro, com a passagem da Caravana MOC 50 Anos nessa terra, que faz parte da história de lutas e conquistas por um sertão justo, cravado nesse cinquentenário do Movimento de Organização Comunitária – MOC.

Logo pela manhã, os espaços do Sindicato dos Trabalhadores Rurais e do Colégio Nossa Senhora de Fátima começou a serem preenchidos com presenças ricas e alegres de crianças e adolescentes, mulheres e homens, agricultores e agricultoras, professoras e gestoras escolares, representantes da Sociedade Civil e de cooperativas para participarem de oficinas, reunião, Audiência Pública e intercâmbio, com o proposito de trocarem saberes e ampliarem conhecimentos sobre diferentes temáticas, mas que forma um conjunto de ações que buscam conquistar mais oportunidades, autonomia, liberdade, igualdade e dignidade para o povo, em especial para as comunidades do campo.

O colorido e as imagens do stand do MOC, por meio de registros e publicações das muitas histórias do povo que o compõe, como também produtos da agricultura familiar e economia solidária tomou conta da rua em frente ao sindicato, um convite para quem por ali passava apreciar muitos saberes e sabores em belíssimas exposições.

Culminância

Na parte da tarde, foi aquele momento lindo, de fortes emoções. Abrindo esse espaço a jovem encantadora de voz e de ser 
Hiolanny Viola cantando e encantando com canções que representam nosso rico Semiárido, inclusive a de sua autoria “Daqui eu não saio, daqui ninguém me tira. O sertão é minha casa, meu orgulho, terra querida”, um chamado que deu inicio a mais uma Culminância.

O momento contou com a mediação de Vandalva Oliveira (Coordenadora Pedagógica do MOC), que explanou algumas mensagens sobre esse ato comemorativo do MOC, como relembrou a força das pessoas e das ações desenvolvidas naquele município. Em seguida convidou para compor uma mesa de abertura e saudação ao fundador do MOC, Albertino Carneiro, o prefeito da cidade José Adriano Pereira, o vereador Gilmario Ferreira, a presidente do Sindicato Antônia Oliveira e a representante da Actionaid Marina Ramos.

Para embelezar ainda mais à tarde a doce Rayele encantou com um conto de estória. Assim como, a jovem Mila do Bahia Produtiva declamou um cordel em homenagem ao MOC.

A segunda mesa foi formada com representações que participaram das atividades da manhã, trazendo o conhecimento adquirido nos diversos espaços para compartilhar com todos/as, como também falar um pouco de como se sente MOC. Esteve presente Antônio Peixoto representante da Sociedade Civil, a Jovem Ana Rebeca, 
Edinalva Almeida professora do campo, Antônia Oliveira presidente do Sindicato, Antônia Evonete Artesã do grupo Agulha Mágica.

Gisleide Carneiro (Coordenadora do Programa PFEES) em nome de toda equipe do MOC agradeceu pela presença de cada um/uma e mais ainda por dividirem suas histórias com todos/as, histórias que formam a história desses 50 anos de existência, lutas e conquistas do MOC. Convidando toda plenária para escoarem bem forte “Somos da Família MOC”, finalizando assim mais uma linda culminância.

O MOC SOU EU – MUDANÇAS

O MOC é composto pelas mãos de garras, resistências e lutas de crianças, jovens, homens e mulheres das diferentes gerações que se espalharam pelo sertão, que assim faz sua história de 50 Anos acontecer.

Segundo Antônio Peixoto representante da Sociedade Civil é um motivo de muita felicidade participar dessa comemoração. “Eu vejo o MOC no rosto das pessoas, de cada um de vocês que tem algo plantado em sua casa, que foi através do MOC. Seja cisterna, horta e muitas outras coisas. Eu também acompanho o trabalho do MOC como representante da Sociedade Civil, das escolas do campo, o trabalho do CAT, que vem fazendo também um brilhante trabalho. Parabenizo toda equipe do MOC que esta aqui (...). Eu só tenho que agradecer imensamente ao MOC por 50 anos de existência e  Nova Fátima agradece também por fazer parte dessa história.

A Jovem Ana Rebeca expressou com alegria como se sente parte dessa história. “Tenho 15 anos sou da comunidade de Sinuque, eu vim aqui para representar os adolescentes. Eu quero dizer que depois desse projeto do MOC e Actionaid minha vida e as de meus amigos mudaram muito, porque aprendemos sobre nossos direitos e deveres, sobre agricultura familiar. E eu queria dizer que faço parte desses 50 anos e eu sou MOC”, disse a Jovem.

Para a professora do campo Edinalva Almeida abordou que falar do MOC é motivo de grande alegria. “Como pessoa e educadora o MOC vem transformado minha vida e minha comunidade também. Eu me tornei uma pessoa mais solidária depois que o MOC entrou na minha vida e de minha comunidade, na vida das crianças, na escola em si. Hoje eu abraço o problema da comunidade, através do projeto CAT-Baú de leitura que tem nos transformado. A gente percebe a alegria de todas as crianças de participar de intercâmbio, do CAT, a gente percebe que as famílias das comunidades têm mais consciência sobre alimentação saudável. Tudo isso agradecemos ao MOC”, frisou a professora.

Antônia Oliveira presidente do Sindicato também relatou. "O MOC tem o olhar diferente de trazer as politicas públicas para que nós possamos viveremos na nossa região. O MOC vem mostrando que somos pessoas digna de respeito, nos ajudando a transformar nossa vida de buscar o que precisamos e acreditamos. Quero agradecer a Deus por tudo e ao MOC por esse olhar para nós, que nos por transforma a cada dia. O MOC colocou um refletor em nossa comunidade e foi acedendo muitas luzes de mudanças e conquistas para nosso povo. Agradeço também ao senhor Albertino por esse olha de águia que ele teve para fundar o MOC”, ressaltou Tonha como é conhecida.

“Estou muito feliz em participar dessa festa. É muito bom à gente plantar uma semente e tá colhendo frutos como o MOC colhe nessa festa. Agradeço muito a equipe do MOC que nos incentivou com nosso grupo Agulha Mágica. E parabenizo ao seu Albertino por tem fundado esse movimento tão maravilhoso”, disse Evonote.

Os adolescentes também falaram um pouco sobre as mudanças que o MOC realizou em suas vidas. “Eu sou muito grata pela pessoa que eu sou, pelos projetos que o MOC leva para a minha comunidade. O CAT foi um projeto que marcou muito minha vida, eu aprendi muitas coisas, me alimentar bem, plantar, ter horta em casa e o projeto Baú de Leitura me ajudou a fazer mais leituras, à aprender mais coisas. Muito Obrigada!”, expressou a jovem Andressa. Danilo também deixou sua mensagem ao MOC. “Sou da comunidade Alto Sereno. E Eu sou o que sou hoje por causa do MOC, da Actionaid e do CAT, e o Baú de Leitura. O MOC foi uma benção na vida da gente”, expressou o jovem.

“Esse é um momento importante para todos nós. O que eu sou, o que eu aprendi, a experiência que tenho hoje eu agradeço ao MOC. Eu estou sempre lutando, sou do grupo de Gênero, lutando por direitos e deveres iguais, pelas diferenças e as igualdades. Vamos dar aquele basta. Eu sou mulher e quero respeito”, relatou Maria Semir.

“O MOC não é de Albertino, não é da equipe do MOC. O MOC é de vocês também. E não seria MOC sem vocês”, acalentou Albertino Carneiro.

Homenagens

A Associação Comunitária Nova Fatimense por meio de Dona Maria fez homenagem ao MOC com entrega de uma placa. “Quero agradecer ao professor Albertino e toda equipe do MOC por todas as sementes que aqui plantou. Me lembro de muitos encontros que tivemos com o senhor Albertinho e com o MOC e me lembro de algo que ele dizia: nunca feche a porta na cara de alguém, a gente só é feliz fazendo feliz ao outro”, disse Dona Maria. O Sindicato dos Trabalhadores Rurais também prestou homenagem ao MOC entregando uma placa, em nome de toda diretoria do Sindicato. Em agradecimentos por tantos anos de pareceria.

Entre uma homenagem e outra, o vereador Gilmario Ferreira expressou seus agradecimentos também ao um grande mentor do MOC, Naidison Quintella. “Quero solicitar a equipe do MOC que leve meu abraço e agradecimento ao um grande guerreiro dentro do MOC, que tenho certeza que nessa caminhada foi um braço direito de Albertino na luta por esse sertão mais justo, que é o professor Naidison, que foi e é um grande pilar dentro do MOC, assim como vocês”, falou o vereador.

A família de Seu Albertino, através de dona Zenaide Carneiro fez homenagem para esse grande fundador do MOC e também membro da família Carneiro. “Quero dizer ao seu Albertino que a primeira semente que ele plantou foi na Comunidade do Queijo, que deu os primeiros passos a partir daí, para formar a associação, passei 10 dias no MOC para escrever o estatuto, para que essa associação constitui-se. Agradeço ao Senhor Albertino por isso. Agradeço a vocês que regaram essa semente plantada pelo senhor Albertino”, expressou dona Zenaide.

“Albertino, Cada história tem a sua beleza e essa beleza deve ser sempre celebrada e compartilhada. Muito Obrigada por fazer parte da nossa história”, família carneiro/ Nova Fátima-BA.

A Coordenadora 
Pedagógica do MOC Vandalva Oliveira filha da terra nova fatimense também recebeu homenagem de seus conterrâneos. “Semeei, cultive e sonhe. Voltar às origens é reviver o passado, celebrar o presente e almejando dias melhores. É revigorar os ânimos para a caminhada com coragem e ousadia, que nunca te falte à estrada que te leva e a força que te levanta a cada dia, o amor que te alimenta e a razão que te equilibra. Te desejamos paz luz sucesso, sabedoria, gratidão e abraços. Continue semeando alegria, amizade e a bondade. Nunca desista de seus sonhos”.

Caminhada

Diferente de outras Caravanas, por onde O MOC 50 Anos passou, Nova Fátima realizou uma caminhada ao invés de carreata, pelas ruas da cidade mostrando as faces e vozes de um povo que fez essa história acontecer, ecoando sobre a passagem do seu cinquentenário, com nosso locutor Urias Rios, mostrando ainda cartazes com reivindicação, força e resistência que faz parte de suas ações. 
Em parceria com os alunos do Colégio Nossa Senhora de Fátima que estavam com a campanha de “Quebre o Silêncio”, para acabar com atos de suicídio,.Assim seguiram em conjunto, unindo o ato festivo do MOC com uma causa nobre daquela sociedade.

Por: Robervania Cunha
Foto: Alan Suzarte
Programa de Comunicação do MOC